Chamados e Escolhidos

chamados_escolhidos

Estejamos convencidos de que ainda nos achamos a longa distância do convívio com os eleitos da Vida Celeste; entretanto, pelo chamamento da fé viva que hoje nos trás ao conhecimento superior, guardemos a certeza de que já somos os escolhidos:

  • para a regeneração de nós mesmos;
  • para o cultivo sistemático e intensivo do bem;
  • para o esquecimento de todas as faltas do próximo, de modo a recapitular com rigor as nossas próprias imperfeições redimindo-as;
  • para o perdão incondicional, em todas as circunstâncias da vida;
  • para a atividade infatigável na confraternização verdadeira;
  • para auxiliar os que erram;
  • para ensinar aos mais ignorantes que nós;
  • para suportar o sacrifício no amparo aos que sofrem, sem a graça da fé renovadora que já nos robustece o espírito;
  • para servir além de nossas próprias obrigações, sem direito à recompensa;
  • para compreender os nossos irmãos de jornada evolutiva, sem exigir que nos entendam;
  • para apagar as fogueiras do ódio e da incompreensão, ao preço de nossa própria renúncia;
  • para estender a caridade sem ruído, como quem sabe que ajudar aos outros é enriquecer a própria existência;
  • para persistir nas boas obras sem reclamações e sem desfalecimentos, em todos os ângulos do caminho;
  • para negar a nossa antiga vaidade e tomar, sobre os próprios ombros,cada dia, a cruz abençoada e redentora de nossos deveres, marchando, com humildade e alegria, ao encontro da vida sublime…

A indicação honrosa nos felicita.
Nossa presença nos estudos do Evangelho expressa o apelo que flui do Céu no rumo de nossas consciências. Chamados para a luz e escolhidos para o trabalho.
Eis a nossa posição real nas benções do “hoje”. E se quisermos aceitar a escolha com que fomos distinguidos,estejamos certos igualmente de que em breve, “amanhã”, comungaremos felizes com o nosso Mestre e Senhor.

Emmanuel

Comments

comments

Check Also

Momento Histórico da Transição para a Luz

                Filhas e filhos do coração, abençoe-nos o …

Deixe uma resposta